h1

Contemple o Olhar de Penitência!

8 setembro, 2006

Ele é meio “maldito” entre os fãs de quadrinhos, mas eu o adoro. É um personagem que, pra variar, foi muito mal-aproveitado e até esquecido pelos editores durante um bom tempo, mas que recentemente ganhou uma minissérie no selo Marvel Knights, escrita por Garth Ennis e que foi… hum… marromeno. O filme dele, um dos meus personagens favoritos da Marvel Comics, está em fase final de edição e tem estréia prometida para fevereiro de 2007.

Trata-se de Ghost Rider (dir. por Mark Steven Johnson, de Daredevil), o Motoqueiro Fantasma, que será vivido por Nicholas Cage, fã declarado de HQs que, segundo fofocas de Hollywood, brigou à beça pelo papel.

O Motoqueiro (ou o Espírito de Vingança, como também é conhecido) estreou lá fora em idos de 72, na Marvel Spotlight # 15, não demorando muito para ganhar publicação própria. Por aqui, chegou logo em revista solo, por volta de 1977, lançada pela Bloch Editora e que alcançou a incrível marca de…uma edição. Alguns anos mais tarde suas histórias também apareceram em revistas como Heróis da TV (onde o vi pela primeira vez, se não me engano) e Superaventuras Marvel.

Mais tarde ainda, na década de 90, os editores decidiram “repaginar” o personagem, o que resultou numa “leve” confusão de identidades. Coisa de roteirista de gibi que adora foder com uma boa história deixando os fãs e colecionadores putos. Por outro lado, são eles que também fazem a alegria de nerds que babam de excitação e se gabam por saber de cor todas as mudanças na cronologia e detalhes que não fazem a mínima diferença para existência e evolução da raça humana no planeta Terra. Enfim…

O primeiro ( e o que vai ser retratado no filme) Motoqueiro era um bom menino chamado Johnny Blaze, que trabalhava numa espécie de circo, fazendo manobras com sua moto e enfrentando o temível Globo da Morte (quem se lembra disso? Eu adorava esse número no circo!) e tem um encontro com o “cramulhão” Zarathos, um dos demônios governados por Mefisto/Mefistófeles (sempre ele?) aceitando ser seu hospedeiro, desde que ele salve a vida de seu pai adotivo. Uma troca básica que, como visto em Fausto, dá em merda.

Mas o mais legal é ver o boa-praça Johnny virando o “catiço”. Isso se dá geralmente após o pôr-do-sol (ou quando o próprio Johnny invoca o demo) e envolve um grau de sofrimento psicológico e físico assim… uhmm, digamos, “infernal”. Em meio a gritos e contorções no melhor estilo Linda Blair, a carne de Johnny se derrete e dá lugar à forma cadavérica e flamejante do Ghost Rider, o Espírito da Vingança, que persegue criminosos pelo mundo afora.

Com o seu implacável “olhar de penitência”, ele tem o poder de deixar suas vítimas em choque, causando arrependimento instantâneo. Mas o belzebú-herói também tem umas arminhas legais: uma corrente demoníaca que muda de comprimento conforme a necessidade (e faz um belo de um estrago) e uma escopeta “do capeta” pra causar uma er… boa impressão, claro. Isso sem falar da moto em si, absurdamente envenenada, com suas rodas enormes e ardentes e motor potentíssimo. Mas vejam bem:(nota de fanática) HQ também é cultura e coisa séria e traz uma série de referências. Só em GR, uma já foi claramente exposta (Goethe) sem falar das leves pinceladas nietzschianas, e de outras correntes filosóficas, citações cinematográficas, musicais…pensa o quê? Fui criada com isso! (er, não sei se esse foi um bom exemplo mas…valeu a tentativa)

O site do filme tá muito legal, o blog também, tem até joguinho pra baixar e o trailler promete, mas, sinceramente? Tô com medo. Esse bosta desse diretor CAGOU meu personagem PREDILETO (a saber: Demolidor).
Se bem que talvez funcione com o Motoca, já que se trata de um personagem mais superficial e com um background bem mais pobre que o do DD.

Só acho que o Nicholas Cage ficou horrendo com essa peruqueta preta…mas talvez Peter Fonda roube a cena como Mefisto.

Agora é esperar…

3 comentários

  1. O Motoqueiro Fantasma tem um problema: é um personagem que pertence, indissociavelmente, a uma época — no caso, aos anos 70 com uma visão meio deturpada dos escombros da contracultura. Easy Rider para infantes. Aleister Crowley para céticos. Devlin para adolescentes. (Ahá, sabe quem é Devlin? 🙂 )

    A tentativa de recuperação do personagem nos anos 90 foi, no mínimo, mal feita. Uma grande bobagem. Até poderia dar algo decente — aproximar psicologicamente o personagem do Surfista Prateado, com quem divide o mesmo inimigo, por exemplo — mas eles fizeram merda. Aliás, nos anos 90, o que não faltou foi merda nos quadrinhos.

    De qualquer forma, não espero muita coisa do filme. Eu nunca espero muita coisa de filmes de super-herói, mesmo. 🙂


  2. Devlin? Qual? Aquele do desenho (tb de motoqueiro) da Hanna-Barbera? Tem tb um coadjuvante do Tex (fumetti) que se chama John Devlin, acho. De resto…sorry pela ignorância, mas não conheço outro..hahah

    Pois então, a convocação de Peter Fonda para o elenco foi justamente uma homenagem a Easy Rider…


  3. Sem análises profundas e xurumelas acadêmicas, é bom que o Blaze volte. É bacana ver o fogo, a moto, a corrente e o Nicholas Cage que é um baita ator.
    Na boa, quem não gosta de motos envenenadas, gangues, rebeldia gratuita, mulheres gostosas e tatuadas, rock, pactos demoníacos…?
    Quem aqui não foi (ou é) adolescente?

    Vai ser legal. O que eles não podem MESMO é fazer um remake idiota de Warriors… (ai não perdoarei).

    Bela dica. E.. peroba neles, Gabi!



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: