h1

Casar é bom II

17 julho, 2007

Continuando…

4- Se você não consegue ser feliz sozinho (a), não é casando que isso vai mudar.

Aliás, mocinhas, não sei se avisaram vocês mas…casar não vai ser a resolução para NENHUM de seus problemas! Uia! (ok, podem cortar os pulsos com faquinha de rocambole agora) tampouco o único e inexorável destino reservado às mulheres!  Podemos fazer muito mais coisas além do casar e engravidar, sabiam? Pois é…pfff

Agora, se você discorda de tudo o que escrevi acima, você precisa é de um psicólogo, não de um companheiro. Vai se tratar, sua louca!

5 – Tente não ter conta conjunta, mas esteja pronta (o) para fazer sacrifícios financeiros em prol do casamento.

Auto-explicativo, certo? Finanças são um ponto muito, muito delicado de um casal. Mais que o Ponto G. Dividir a mesma cama é uma delícia, mas o mesmo não pode ser dito do sagrado dinheirinho.

Vão existir, indubitavelmente, ocasiões em que você vai ter que deixar de comprar aquela bota linda, aquele perfume importado, aquela coleção de DVDs, AQUELA EDIÇÃO RARÍSSIMA DE QUADRINHOS (BUÁÁ) para fazer supermercado, pagar a conta de luz, a TV a cabo, a internet, o sofá… Sad but true. And necessary. Curta esse momento. Afinal, é a casa de vocês.

Divida as contas da casa, quem receber primeiro paga e depois pega dinheiro do outro para supérfluos, ou sei lá. Façam a combinação de vocês… Geralmente a dureza dura (rá!) algum tempo, até vocês se estabilizarem. Estejam preparados para tempos de vacas magras. Depois passa.

Trocando em miúdos. Se você for um/uma escrota (o) esgoísta, não se case. Nuff’ said.

6 – Não idealize. Nada. Nunca.

Na verdade, esse tópico deveria figurar como o primeiro da lista. Não idealizar evita frustrações, em todos os âmbitos da vida. Esteja ciente de que vai embarcar num vôo cego onde tudo será novidade, nada será como nos filmes, meu bem, acorde. Pode ser muito melhor, aliás. Ou pior…

Aquele homem com o quem você sonhou a vida inteira não existe. Ele peida, arrota na tua frente, tem hábitos irritantes, é grosso às vezes, larga a toalha de banho molhada em cima da cama e esquece a data de aniversário de namoro…e você vai ter que aceitar esse mesmo que apareceu e por quem, afinal, você se apaixonou. Pense que poderia ser muito pior…e acredite, tem coisa MUITO pior por aí… (mas tudo bem, isso não quer dizer que você vai ter que nivelar por baixo…alou auto-estima! Uhú! Arrasa!)

Já parou pra pensar que ele também te imaginou de um jeito e deve ter se decepcionado? Pois é. Especialmente se você for uma daquelas que usa bota branca…afff

Casar na igreja é uma dinheirama sem tamanho e a maioria dos parentes sai falando mal da festa. Não vale a pena. 

Você fica cansadésimo, com cãimbra na boca de tanto forçar o sorriso o tempo todo e a noite de núpcias não é nada luxuriante. E vamos combinar? Casar na igreja saiu de moda… (ihihi agora a Opus Dei e o Darth Papa vão me mataaaar…)

Se bem que cair na cama totalmente vestida de noiva, (ou de noivo) com os pés latejando no salto, suados, fedidos, com fome, maquiagem escorrendo e deixar-se embalar nos braços de Morpheu até a manhã seguinte, pode sim, ser extremamente delicioso. Porque é isso o que acontece.

Portanto, reveja bem o seu sonho de “casar de véu e grinalda” e toda essa bobajada. (ops) porque o legal e o real de se casar é o que vem depois da festa.

Conheci uma aí que se casou só por causa da pompa. E cá entre nós, nem isso valeu a pena. Coitada. A festa dela foi uó. E o garçom nem passava na minha mesa para deixar “cocrete”. O fim.

Pense em outras alternativas para comemorar o enlace. Use a imaginação!

Acho fechar um restaurante, por exemplo,  mais chique, mais barato, menos estressante e igualmente recompensador.

Rega-bofe para meio mundo é brega demais. Aparece gente que você nem conhece e você e seu noivo ficam um olhando para cara do outro, se perguntando “É parente seu?”. Horrível.

Façam festa para quem REAL E VERDADEIRAMENTE  acompanhou a história de vocês, de quem vocês REALMENTE sentem as boas vibrações e desejos de felicidade genuínos e para as amizades profundas, infalíveis e perenes. O resto que se lasque.

To be continued…

5 comentários

  1. Bem, vou tentar seguir algumas dicas… 😉


  2. concordo.
    se fizer festa ou o que seja, que seja somente pra pessoas que realmente estao em contato com o casal ou o cara ou a mulher… do contrário nao chamaria mesmo, nada de convidar uma parentada que te viu qdo vc tinha uns 3 anos de idade e nunca mais apareceu..

    tem que convidar o cara que ta sempre por perto, tomando uma no boteco com vc, que te liga no aniversario ou do nada mesmo pra saber como estao as coisas… pessoas que estão sempre por perto…
    é roubada fazer festa ‘pros outros’ tem que ser pra vc do jeito que vc quer e com a presença de quem importa realmente pra vc!

    acho que fazer uma festa desta nada mais é que comunicar uma nova fase da sua vida e meio que abrir a porta da sua nova casa etc

    e de boa, já sou assim, abro a porta da minha casa atual para poucos.

    só entra na minha casa quem gosto muito e que sei que tem carinho e amizade por mim!

    xÔ gente invejosa que vai no casamento alheio pra falar mal…!!!!

    bjs.


  3. desisti de “n” frescuras faz tempo…

    e sinceramente essas vontades passam, como muitas outras coisas que impedem a gente ser feliz na realidade da vida.


  4. ahauhuaha, muito bom. eu tô no segundo casamento e nun-ca tive conta conjunta. essa deveria ser a regra n° 1. evita muito barraco desnecessário.


  5. Apareci aqui atrasadissima por recomendação do Branco Leone, adorei ! Concordo com quase tudo… Sou casada ha 2 anos e pouco. Não tinha a menor chance da gente gastar uma fortuna absurda numa festa, chamar meio mundo para depois todo mundo ficar falando mal do mesmo jeito. Fizemos um brunch para umas 40 pessoas, so gente proxima mesmo, e foi uma delicia.
    Quanto à conta conjunta, acho que isso depende de cada casal… Muitos casais que conheço têm 3 contas : uma individual para cada um e uma conjunta para pagar as contas “comuns”. Aqui em casa resolvemos ter so uma conta conjunta, pois consideramos que tudo é em comum… Não gostavamos da idéia de um dos dois ganhar mais e poder gastar mais, então é tudo no coletivo mesmo, casal camunista 🙂 Mas isso so da certo porque nós dois temos o mesmo nivel de pão-durice :-D. Mas entendo que seja uma situação que não dê certo para todo mundo, então meu conselho, no geral, seria as tais contas de banco separadas + uma conta conjunta…



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: