h1

Desconstruindo-me

11 dezembro, 2007

Estou estranha. Estou me repartindo, desconstruindo, desmanchando, derretendo… me espalhando, transformando, me quebrando, em mil pedaços que se juntam a cada momento em diferentes formas e ângulos que refletem meus valores, humores, jeitos e gostos de diversos modos num caleidoscópio emocional em constante movimento.

Estou me recriando. É como renascer. E como todo nascimento é dolorido.

Estou me tornando uma nova pessoa. Talvez seja isso o tão almejado amadurecimento…talvez.

acordei bemol
tudo estava sustenido
sol fazia
só não fazia sentido

***

nem toda hora
é obra
nem toda obra
é prima
algumas são mães
outras irmãs
algumas
clima

***

lembrem de mim como de um
que ouvia a chuva
como quem assiste missa
como quem hesita, mestiça,
entre a pressa e a preguiça

***

isso de querer
ser exatamente aquilo
que a gente é
ainda vai
nos levar além

***

en la lucha de clases
todas las armas son buenas
piedras
moches
poemas

***

nada me demove
ainda vou ser
o pai dos irmãos Karamazov

***

se
nem
for
terra

se
trans
for
mar

Paulo Leminsky

One comment

  1. Não quero fazer julgamentos mas voce está a cada dia melhor.



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: