h1

Eu me lembro

27 fevereiro, 2009

Quando me lembro da gente, tudo rescende à adolescência.

Nós, debruçadas na sacada da Galeria, fumando, tirando sarro das roupas das patricinhas e maldizendo a vida por puro esporte…ou porque éramos mais criativas e engraçadas, ferinas, desdenhando de algo do que elogiando, talvez. Exaltar (e praticar) virtudes nunca foi o nosso forte…

Nossos problemas iam do vestibular a namorados escrotos que não sabiam transar, de flertes inconsequentes capazes de colocar nossas poucas amizades femininas em risco à dificuldade em guardar dinheiro para comprar a próxima coletânea do X-Mal Deutshland, passando por nossos pais, a política, esse país, essa vida besta, a falta de perspectivas, a revolta…  essa espiral descendente de pirações, roubadas e experimentações que tanto testou nossos limites, quanto explicitou nossas fragilidades….e nos ensinou, e nos  moldou… e fez de nós as mulheres que somos hoje.

Seja isso algo bom ou ruim….

Me lembro de como, apesar de tudo ou talvez por isso tudo, o riso era fácil e de como todo sábado à noite sempre guardava a próxima “melhor festa de nossas vidas” que, no final, era igual a qualquer outra festa que custumávamos frequentar: vinho barato, bizarrices, sexo, drogas e rock’n roll, a trindade infame padroeira dos condenados à prisão e ao peso da própria existência.

Me lembro de nossos corpos girando no ar, em êxtase, alheios a tudo e a todos, longe de nós mesmas e da realidade tediosa que nos cercava. Dervixes sombrios capazes de devastar qualquer resquício de adolescência saudável, feliz e completa.

Corpos negros, que, negros que eram, absorviam completamente qualquer tipo de radiação que neles incidia.

Tão bom saber que você me completava (completa). E lia minha mente, e sentia essa fome. Tão bom saber que “você terminava onde eu começo completamente pelo lado do avesso”. E sentíamos tudo, juntas.

Éramos tão felizes em nossa própria tragédia!

E agora, graduadas, na vida e nas artes, perfeitamente inseridas nessa tal de sociedade que tanto xíngávamos e que teve nosso mais profundo desprezo e ódio durante tanto tempo (e ainda os tem, de certa forma, em certos assuntos), atarefadas, responsáveis, cidadãs de bem, com carteira de trabalho assinada e comprovante de residência, ora veja…

Simplesmente não conseguimos mais nos encontrar.

Somos tão trágicas em nossa própria felicidade!

E o riso não é mais tão fácil, na verdade precisa ser cultivado sob o risco de se extinguir, e o amanhã não guarda mais a “melhor festa do resto de nossas vidas”, aliás,  fugimos delas e preferimos pétite comitèes, poucos, bons e perenes amigos, não mais com vinho barato, mas com garrafas que custam muito mais do que sonhávamos jamais poder pagar…e o sexo? ah sim, esse continua, mas não mais em festas…drogas? bem, paramos porque comprometem nosso rendimento “na firma” e o salário no fim do mês …

da torpe trindade só sobrou o rock’n roll cultivado agora nesses malditos Ipods, a válvula de escape aceita pelo coletivo,  que possui a assombrosa capacidade de emprestar uma trilha sonora à nossa vida, tornando-a malditamente lírica e saudosista…causando rompantes… e textos como esse.

Simplesmente porque ouvi uma música que me lembrou de nossa adolescência, enquanto passava pelo local onde constumávamos nos encontrar…e o tempo parou.

Tenho saudades de você.

(ouvindo – I’ll make it clear – Teenage Fanclub)

One comment

  1. fiquei meio saudosa de alguma coisa ao ler este post, nesta manhã quente de segunda (a primeira de março, quando o ano, enfim, começa). será uma espécie de sinal? seja lá o que for, bateu fundo.

    saudades de vc senhorita! quando vais marcar aquele encontro tipo “girls only”? nele, inclusive, a valentina já pode participar😉
    beijo grande,



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: