h1

Arremedo de vida

15 novembro, 2009

surrogates_movie_poster1

A cada dia que passa, eu, uma pobre e leiga observadora da natureza humana, ao invés de me surpreender fico cada dia mais…cínica e entediada com relação a nossa sociedade.

O mundo, que já era velho e sem porteira, agora está chato de galochas…e fedendo. Um lugar sacal de se viver. Implacável,  intolerante. Hipócrita, com essa onda interesseira e egoísta de politicamente correto que deixa todo mundo com medo de ser mal-interpretado e morto por conta de um comentário impulsivo e verdadeiro, o mundo está cada vez mais homogêneo, higienizado, pasteurizado, asséptico, enfadonho.

Foi imaginando  um futuro não muito brilhante para a humanidade que acabei me deparando com o filme “Os Substitutos”  (Surrogates- 2009) do diretor Jonathan Mostow ( O Exterminador do Futuro 3 – a Revolta das Máquinas). O filme foi baseado em uma história em quadrinhos em 5 edições, homônima, escrita por Robert Vinditti e ilustrada (muito bem ilustrada, aliás) por Brett Weldele, publicada pela Tops Shelf Productions , nos EUA em 2005/2006  e que conta com a participação do canastrão Bruce Willis em sua adaptação para as telonas.

Ao ler a sinopse, tive mais vontade de fazer o DVD de freesbie do que de assistí-lo, mas, como se tratava de uma HQ adaptada, eu, colecionadora e fã, não resisti e acabei assistindo.

The Surrogates tem como inegáveis referências demais obras da ficção científica que tem como prerrogativa um futuro distópico e surrel, tal como  1985 de George Orwell, Eu, Robô de Isaac Asimov, Blade Runner de Philip K. Dick, até o doce Wall-e da Disney/Pixar e Minority Report (também de K. Dick, adaptado para o cinema e dirigido por Steven Spielberg, em 2002).

A premissa é interessantíssima: No anos de 2025, os andróides já substituem os humanos em praticamente tudo. Ele funcionam como um tipo de “avatar”, corpos robóticos controlados mentalmente por humanos que, por medo de exposição aos perigos da vida real, trancafiaram-se em suas casas e através de um software controlam as ações e pensamentos de seus andróides “substitutos”, numa espécie de um live action de “Second Life”.

Por conta disso, os substitutos são perfeitos em tudo, aparência e comportamento. Ao andar na rua, você só se depara com super modelos e galãs de cinema, invencíveis, ilimitados, todos educadíssimos e com atitudes e comportamento totalmente premeditados por seus “players”. É o império da ordem e da perfeição. É um jogo, onde perdedores não existem. 

Os grandes traumas que assolam a raça humana estão todos resolvidos: simplesmente não existem. O sexo flui. Com a autoestima elevada, todo mundo se dá bem, pois ninguém mais corre o risco de fazer feio com um pretendente, que aliás, pode não ser o retrato fiel de seu andróide. Um homem velho, gordo e feio pode ter como “substituta” uma deliciosa modelo e conquistar um bonitão na noite, numa espécie de ilusão em massa, consentida. E quem vai ser o louco de querer saber a verdade?

Ignorância é felicidade.

Enquanto isso, humanos contrários à onda de substitutos vivem em guetos, do velho modo: reproduzindo-se e expondo seus corpos às agruras da vida. Vivendo a vida de verdade, e lutando contra a ameaça de coexistir com super-seres.

Mas (porque sempre existe um mas) a utopía da vida perfeita começa a ruir quando um terrorista humano desenvolve uma arma que quando disparada sobrecarrega o andróide, fritando o cérebro de seu comandante humano respectivamente. Ou seja: os humanos não estão mais a salvo no refúgio de suas casas.

Cabe ao agente do FBI interpretado por Bruce Willis, para variar, salvar a humanidade ao se deparar com problemas muito mais complexos  do que descrevia a vã filosofia da sinopse da película.

Recomendo fortemente.

O filme.

E a viver a vida também, claro : )

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: